O Prince e a minha mãe

Era de esperar que as réplicas de tal tsunami, a morte do icónico Prince, inundassem jornais, tv e redes sociais. Foi numa das reportagens sobre os vários tributos ao cantor que ouvi uma jovem emocionada a dizer:
– Eu e a minha mãe ouvíamos Prince juntas.
Qualquer coisa naquela frase não fazia sentido e só percebi o que era quando me imaginei, com a minha mãe, a dançar e a cantarolar  ‘So do me baby, like you never done before’ ou ‘Cream, get on top’. Eu, a minha mãe e Prince, três notas de um acorde dissonante.
O mais parecido que eu alguma vez ouvi com a minha mãe foi a banda sonora de Dirty Dancing (oh Loverboy!). De resto lembro-me sobretudo das viagens por altura em que apareceu o leitor de cassetes para o carro.  Fizemos millhares de quilómetros na companhia da Chiquitita e da Michelle (ma belle!), à Terça-Feira, tantas amarguras vendemos ao desbarato na feira da ladra e quantas vezes não fomos nós, em uníssono, caipira pirapora nossa…
Assim, usando a letra de uma música da Maria Bethânia de que gosto muito e que tantas vezes ouvi com a minha mãe, faço eco do sentimento de milhares de fãs do Prince por esse mundo fora (incluindo a jovem da reportagem).
“Vai mostrar esta saudade
Sonho meu
Com a sua liberdade
Sonho meu
No meu céu a estrela guia se perdeu
A madrugada fria só me traz melancolia
Sonho meu”
Kiss