As mães hiperativas

Não sei como conseguem. Fico cansada só de as ver. Hoje do mercadito da Bibá, amanhã no teatro Fungagá e depois de amanhã no espectáculo da Violeta. São as mesmas que há uns anos frequentavam assiduamente os concertos para bebés, que fizeram fila para as aulas de yoga para recém-nascidos e que à saída do ‘túnel’ já esperavam as crianças com aquelas toucas fofinhas feitas de croché que só se vendem numa loja refundida de Campo de Ourique. Percorrem a cidade à procura de actividades in que até a Time Out desconhece. Domingo à noite, lá vão mais 54 fotos para o álbum “Momentos Felizes em Família” e eu a sentir-me a pior mãe do mundo. É que o mais próximo da meditação que fazemos cá em casa é brincar com o Gormiti Mantra e a única Carlota que os meus filhos conhecem é a vizinha do 1.º-C.

OMMMMMMMMMMMMMM…