O senhor que adora esperar

Em Tóquio, em vésperas do lançamento do novo iPhone 7, um senhor já idoso é uma das muitas pessoas que aguardam na fila. “Bem, eu estou aqui pelo novo telefone da Apple, mas estou mais porque gosto de esperar em fila”. (Não conheço o nome do senhor, por isso vou chamá-lo Sr. Gyō, que significa fila em japonês, segundo o Deus Google). O Sr. Gyō gosta de filas, tudo bem, também conheço pessoas que gostam de lavar casas de banho,especialmente quando estão com a neura. E é sabido que os japoneses adoram uma boa fila (que está dentro do espírito de comer arroz com pauzinhos), como podemos confirmar num post de um blogue chamado Vida Nipónica (https://vidaniponica.wordpress.com/): “Se tem algo que eu admiro e acho estranho neste país, são as filas! Sim, filas para todos os lados, para comer, se divertir, no trânsito. Onde há mais do que um japonês há fila, eu costumo chamar de filas magnéticas, é incrível como logo após se formar uma fila, vão chegando cada vez mais pessoas, parece um imã, é incrível, é como se faltasse opções!”

O que eu gostava de saber é se o Sr. Gyō sempre comprou o iPhone ou se quando chegou a sua vez deu meia volta e foi dormir, antes de atacar a sua próxima fila. Quer tenha gasto dinheiro ou não, este meu post serve para alertar o Sr. Gyō que está a desperdiçar uma excelente oportunidade de negócio, em Portugal, seria mais um a lucrar com as falhas no Sistema Nacional de Saúde, nos Centros de Emprego e noutros organismos do Estado. Não posso falar pelos idosos que enchem os Centros de Saúde todas as manhãs, e, pensando bem, também não posso falar pelas milhares de pessoas dispostas a esperar horas  (correndo mesmo risco de vida) para levar uma garrafa de Xau a 50% no Pingo Doce, mas conheço muitos poucos portugueses com um fascínio inexplicável por filas (“o quê votar? que seca!”) e sei que, como eu, estariam dispostas a pagar ao Sr. Gyō para alinhar por eles. Ao contrário de mim, o Sr. Gyō bateria palminhas em situações em que a mim só apetece dar palmadas: como uma das senhoras responsáveis pelas matrículas na sede do agrupamento de escolas dos meus filhos, que chega para atender às 9:02 e às 9:05 já está a ser atendida pela senhora do café. Às 8:50, antes de todos os funcionários pegarem ao serviço, a fila era demasiado grande e ela não esteve para aguardar. Porque se eu conheço poucos portugueses que gostem de esperar, o mesmo não posso dizer para os compatriotas que amam fazer esperar os outros. Por isso, se alguém vir o Sr. Gyō, por favor avisem que eu serei a primeira a contratar os serviços da sua empresa. Os outros, ponham-se na fila!