Enredado pelo polvo no La Marina

Atraído pelas ostras da Calle Pescadería, em Vigo, não consegui resistir à sedução do Polvo à Feira do La Marina. Se o restaurante não estivesse já vazio e os empregados com ar de quem precisava de descanso, tarde adentro, tinha pedido uma terceira dose.

Para quem gosta de coisas boas da vida, como eu, ir a Vigo sem dar um passeio no Casco Velho e, principalmente, um pulo à Calle Pescadería para saborear ostras é quase um crime. Pelo menos para os sentidos.

Como não gosto de me martirizar, e após uma ida ao Turismo local para apanhar um mapa da cidade e ter uma breve resenha do que poderia fazer numa tarde, demandei então a rua das marisqueiras que vendem ostras. Entrei, ao acaso, no número 5, talvez porque tenha gostado mais do seu arranjo das ostras na bancada em frente. Em boa hora o fiz.

Lá dentro esperavam-nos dois empregados de mesa ornamentados por boinas pretas, e uma ementa pejada de sugestões de pratos de marisco e de alguns peixes.

Mostruário de ostras na Calle Pescadería

Mostruário de ostras na Calle Pescadería

No interior do La Marina

No interior do La Marina

Apenas olhei de soslaio para as mariscadas, que me cheiram quase sempre a confusão e optei inicialmente por um conjunto de 12 ostras médias galegas, a 18 euros. A escolha foi feliz pois estavam com aquele sabor a mar que esperava e aprecio, ainda mais saliente na companhia do vinho Ribeiro sugerido pelo nosso amável empregado de mesa, produzido a partir de uvas da casta Trajadura, com boa acidez e notas aromáticas florais.

Não contente com o tempo passado a namorar as ostras no palato, sempre lento porque gosto de apreciar as coisas boas da vida devagar, pedi uma leva de oito gambas bem dimensionadas grelhadas. Estavam naquele ponto de sabor que fica na memória, de azeite, alho e picante, o que me deixou animado para pedir uma dose de polvo à feira (que vem sem batatas, já que à Galega elas estão presentes no prato).

Ostras da Galiza com Vinho da região de Ribeiro

Ostras da Galiza com Vinho da região de Ribeiro

Polvo à Feira

Polvo à Feira

O octópode estava macio, como é raro encontrar, e tinha a correta dose de sal e azeite e um tempero distinto de pimentão picante. Era irresistível. De tal forma que tivemos de pedir outra dose e mais uma garrafa de Ribeiro para companhia. Depois de condimentados por uma sopa de peixe e marisco um pouco mais vulgar, mas satisfeitos com a vida naquela hora tardia para os horários do país vizinho, pois passavam das 16h30, fomos então para o passeio à descoberta de Vigo Velho.

A uma olhada à ria seguiu-se a subida à zona velha e aos seus recantos, e um percurso pela rua pedonal que passa pelo Museu de Arte Contemporânea. No seu interior fizemos uma longa paragem para absorvermos a exposição temática de vídeos de estórias da história que estava patente. Foram encontros com o dia-a-dia de índios sul-americanos, percursos doridos de anos de dois emigrantes, um paquistanês e outro marroquino, na sua demanda pelo eldorado europeu, a guerra entre o Chile e a Bolívia que tirou o acesso desta nação ao mar. Cansado, mas um pouco mais culto, sai para gozar o fim de dia em Vigo antes de voltar para sul.

Texto e fotos: José Miguel Dentinho

Informações úteis

Restaurante La Marina
Endereço: Calle Pescadería 5 (zona das ostras)
Bairro a Pedra, Vigo
Telefone: 986 432 370 / 628 625 343
E-mail: [email protected]