Mulheres apostam mais na diversidade

Nas empresas com liderança feminina, mais de metade dos cargos de gestão são ocupados por mulheres e a diversidade de género nas equipas de gestão e direção é bastante maior, aponta a 8.ª edição do estudo Participação Feminina na Gestão das Empresas em Portugal, da Informa D&B.

As mulheres fazem mais pela diversidade nas empresas do que os homens.

A liderança e gestão feminina nas empresas tem vindo a crescer lenta, mas consistentemente, nos últimos anos. Os números evidenciam que a presença de mulheres na gestão e liderança de empresas é mais significativa em empresas jovens e micro, onde 30,7% dos gestores são mulheres, fruto também do aumento do empreendedorismo feminino. Já nas pequenas (24,2%), médias (19,2%) e grandes empresas (14,7%), que registam um volume de negócios superior, um maior número de empregados e estruturas de gestão mais complexas e numerosas, a participação feminina em cargos de gestão e liderança é mais reduzida. E como facilmente se constata pelos número, a presença feminina em cargos de liderança vai diminuindo à medida que aumenta a dimensão da organização. Nas empresa cotadas em Bolsa as mulheres ocupam hoje 12,2% dos lugares nos conselhos de administração, um valor que tem vindo a registar uma evolução positiva, tendo praticamente duplicado nos últimos 6 anos – passou de 5,7% em 2011 para 12,2% em 2017.

Estas são algumas das conclusões da 8.ª edição do estudo Presença Feminina na Gestão e Liderança das Empresas Portuguesas, realizado pela Informa D&B, hoje divulgado. Este estudo assinala também que nas empresas com liderança feminina, mais de metade (52%) dos cargos de gestão são ocupados por mulheres e há uma maior diversidade de género nas equipas de gestão e de direção – 88% das equipas de gestão e 72% das equipas de direção são mistas. Já nas empresas lideradas por homens, apenas 18% dos cargos de gestão são ocupados por mulheres e 56% das equipas de gestão são exclusivamente masculinas e 52% das equipas de direção são mistas.

A grande maioria (73%) das funções de direção executiva continuam a ser desempenhadas por homens, sendo a direção de Recursos Humanos a única função com paridade de género (53%) e a direção de Qualidade/Técnico aquela em que as mulheres (60%) já ultrapassaram os homens. Apenas 10,4% dos cargos de direção-geral são ocupados por mulheres.

Quando nos debruçamos sobre os setores, constata-se que os Serviços e o Retalho, os que concentram a maior parte dos pequenos negócios, são aqueles em que a presença feminina mais de evidencia nos cargos de gestão, 37% e 34%, respetivamente. Por oposição, nos setores da Construção, Telecomunicações e Gás, eletricidade e água, os homens desempenham 80% dos cargos de gestão.

Segundo Teresa Cardoso de Menezes, diretora geral da Informa D&B, ‘há um aumento significativo de mulheres na criação de novas empresas, e na condução de negócios de pequena dimensão. Nas PME e nas grandes empresas a tendência é positiva mas o aumento continua a ser marginal’.