Trabalhou durante 15 anos na indústria farmacêutica, mas um MBA ajudou-a a ganhar asas e aventurar-se por conta própria. Com a InoCrowd entrou no mundo das tecnologias de informação, onde diz que uma mulher tem de trabalhar a 300% para vencer. Este ano foi distinguida com o Prémio Femina pelo seu contributo para o prestígio de Portugal e da Lusofonia nas áreas do empreendedorismo e inovação.