Sofia Koehler: “Para fazer um bom trabalho é preciso delegar”

Deu os primeiros passos na carreira na área da Comunicação, mas o apelo do negócio da família, a Colquímica, desviou Sofia Koehler para caminhos diferentes. Com o irmão e sócio, ajudou a empresa a crescer dos 10 para os 100 milhões de euros de faturação.

Sofia Koehler é vice-presidente da Colquimica Adhesives.

Chegou à Colquímica Adhesives apenas para não estar parada enquanto decidia o que queria do futuro a seguir à tese de mestrado. Licenciou-se em Ciência da Comunicação, trabalhou nessa área na Fundação de Serralves e na Emirec Comunicação, mas depois de concluir a tese precisou de tempo para decidir que rumo profissional seguir. E foi nessa altura que tudo acabou por se decidir, mesmo que de uma forma inesperada. Perante a necessidade de um profissional com o seu perfil enquanto fazia o estágio, Sofia Koehler agarrou a oportunidade e não voltou a sair da empresa criada pelo pai em 1953. Rapidamente agarrou a área comercial e de marketing e hoje é vice-presidente da Colquímica. Foi aprendendo no dia-a-dia da empresa, mas também com várias formações que sentiu necessidade de fazer à medida que ia ganhando mais responsabilidades. Ao longo dos últimos 16 anos, ajudou a empresa a criar uma marca de referência na indústria de colas, a expandir o negócio além fronteiras, a organizar e motivar equipas vencedoras e a passar de 10 milhões de euros de faturação anual para 100 milhões.

Como foi o seu percurso até chegar à Colquímica?
Licenciei-me em Ciências da Comunicação e especializei-me em Comunicação Empresarial, na Universidade Fernando Pessoa. Durante o meu percurso universitário fui trabalhadora estudante, trabalhei na Fundação de Serralves e na Emirec Comunicação, uma agência de comunicação com escritórios no Porto.

O que a levou a abraçar este negócio?
A princípio eu tinha intenção de continuar a minha carreira na área da Comunicação fora do negócio de família. Parei o meu trabalho e dediquei-me a tempo inteiro, durante seis meses, à minha tese de final de curso. Após o seu término, decidi estagiar uns meses na Colquímica enquanto decidia o meu futuro. Nesse período em que iniciei a minha experiência na Colquimica a empresa era muito mais pequena e surgiu a necessidade de um recurso com as minhas valências, e os meus planos mudaram. Senti que deveria apostar nesse caminho e aqui estou eu.

Investi muito em formação em áreas adequadas às necessidades do meu percurso profissional.

Como se preparou para trabalhar numa área diferente daquela para a qual se tinha licenciado?
Após o meu primeiro curso, investi muito em formação em áreas adequadas às necessidades do meu percurso profissional, desde Gestão de Empresas, Marketing, Liderança, Brand Management, Desenvolvimento de Estratégia para criação de valor, Gestão Comercial, em diversas universidades e escolas de gestão, tais como a Universidade Católica, Porto Business School, London Business School.

Quais os principais desafios que enfrentou nos seus primeiros tempos na Colquimica?
Nos primeiros tempos concentrei-me em conhecer os produtos, as aplicações e os clientes. Desde cedo que me posicionei nas áreas comerciais e de Marketing, mas também me envolvi nos desafios de organização de fluxos internos, criação dos primeiros modelos de assistência comercial, entre outros projetos.

Como evoluiu a sua carreira na empresa?
Quando abracei este projeto a empresa era uma PME com um volume de negócios na ordem dos 10 milhões de euros e com cerca de 50 funcionários. Apesar de ter iniciado o meu percurso na área comercial e no Marketing, como a empresa era pequena tive a possibilidade de me envolver nos diversos desafios que foram surgindo. Aprendi com toda a humildade com várias pessoas, nomeadamente com o meu irmão e sócio João Pedro Koehler e tive um percurso evolutivo em que à medida que adquiria mais capacidades mais responsabilidade tinha.

Qual tem sido a sua mais-valia na empresa e de que forma a sua gestão impactou o negócio?
A minha contribuição foi sempre baseada nas necessidades da empresa. Um percurso de 16 anos numa empresa que cresceu de 10 para 100 milhões de euros, teve várias fases. Sinto que durante o meu percurso me adaptei às necessidades da empresa mas sem dúvida que os meus skills ajudaram a empresa a criar uma marca de referência na indústria de colas, a expandir nacional e internacionalmente o negócio e a organizar e motivar equipas vencedoras.

Um dos momentos mais desafiantes foi quando tomei consciência que para fazer um bom trabalho tinha que delegar a maior parte das tarefas que executava e concentrar-me em motivar e a gerir equipas.

Qual o momento mais difícil do seu percurso?
O meu percurso profissional teve muitos desafios ao longo do tempo. Posso dizer que um dos momentos mais desafiantes foi quando tomei consciência que para fazer um bom trabalho tinha que delegar a maior parte das tarefas que executava e concentrar-me em motivar e a gerir equipas. Tendo em conta o crescimento da empresa, este foi um percurso necessário e natural. Mas a mudança de mindset nem sempre é fácil.

Qual a parte do seu trabalho de que mais gosta?
Eu adoro o meu trabalho na globalidade. Tenho uma equipa fantástica que me motiva todos os dias e com a qual desenvolvo um trabalho de melhoria contínua das nossas operações. Por outro lado, a expansão do negócio a nível internacional é algo que me motiva muito também. Ver o negócio a crescer, gerir parcerias de longo prazo, é sem dúvida algo que me faz trabalhar todos os dias com a máxima inspiração.

Como vê o futuro do seu setor e de que forma está a preparar o seu negócio para os próximos desafios?
O mercado de colas a nível mundial cresce ao ritmo de cerca de 3% ao ano, sendo que em alguns segmentos e mercados cresce a ritmos mais acelerados.  Sendo a Colquimica Adhesives um player mais presente à escala da região do EMEA, temos possibilidades de crescimento orgânico muito significativas.

Tendo em conta o que referi, estamos neste momento a preparar a Colquímica para ser uma empresa global, estando nos nossos objetivos abrir uma unidade de produção fora do continente europeu e expandir os nossos centros logísticos por mais regiões.

Grande parte do sucesso de uma empresa está relacionada com a forma como reage aos insucessos normais do percurso e como responde com positividade e perseverança nos momentos menos bons.

Como líder tem algum domínio sobre a sua agenda. Pode partilhar algumas das suas melhores dicas para conseguir o equilibrio entre as várias vertentes da sua vida?
Em todas as vertentes da minha vida entrego-me com paixão e tento tirar o máximo partido do que estou a viver. É com base nesse estado espírito que consigo um equilíbrio pessoal. Tenho uma vida intensa, sou empresária, mulher e mãe de dois filhos. Tento dar o máximo de mim na minha vida privada e procuro pelo exemplo motivar os meus filhos a esforçarem-se para concretizarem os seus objetivos.

Qual o melhor conselho que recebeu ao longo da sua carreira?
A forma positiva face à qual aprendi e me aconselharam a lidar com os insucessos. Acho que grande parte do sucesso de uma empresa está relacionada com a forma como reage aos insucessos normais do percurso e como responde com positividade e perseverança nos momentos menos bons.

O que considera fundamental para ter sucesso no mundo dos negócios?
Todos os sucessos que temos vindo a festejar são sempre fruto de muito trabalho e persistência. No nosso negócio as relações comerciais demoram a concretizar-se porque os nossos produtos exigem por vezes validações muito demoradas por parte dos nossos clientes. Por isso todos os projetos novos são fruto de muito trabalho, persistência e resiliência das nossas equipas.

Por outro lado, entender que o sucesso é sempre fruto de uma equipa motivada e assertiva que tem de ser construída e estimulada diariamente.

Não posso deixar de referir também que o crescimento sustentável do negócio é algo que caracteriza a Colquímica e que para mim é fundamental no mundo dos negócios.

Que conselho deixaria a alguém que pondera entrar numa empresa famíliar?
A um membro da família é exigido mais esforço, mais comprometimento e o máximo de conhecimento no negócio. Neste seguimento, a preparação para o cargo a desempenhar é ainda mais importante para alguém da família. Além disso, a isenção na tomada de decisões e ser um embaixador dos valores da empresa é fundamental para uma boa integração na empresa familiar.