Morreu Liliane Bettencourt, a herdeira da L’Oréal

A mulher mais rica do mundo morreu na sua casa de Paris, aos 94 anos. "A minha mãe partiu em paz", escreve a filha Françoise, em comunicado.

Liliane Bettencourt tinha abandonado os negócios da família há vários anos, sendo substituída no board do grupo L'Oréal pelo neto, em 2012.

Liliane Bettencourt morreu na noite de quarta para quinta-feira, 21 de setembro, segundo comunicado da filha, Françoise Bettencourt Meyers.

Filha do homem que fundou a L’Oréal em 1907, a mulher mais rica do mundo, segundo a Forbes — e a 14º pessoa mais abastada do planeta — tinha uma fortuna avaliada em 37,4 mil milhões de euros e completaria 95 anos a 21 de outubro. “A minha mãe partiu em paz”, escreve a filha, citada pelo jornal Le Figaro. “Neste momento doloroso para nós quero lembrar, em nome da nossa família, a nossa completa ligação e fidelidade à L’Oréal e renovar a minha inteira confiança no seu presidente, Jean-Paul Agon, bem como nas suas equipas espalhadas pelo mundo.”

Liliane Henriette Charlotte Schueller, nascida na capital francesa em 1922, herdou o império L’Oréal em 1957, depois da morte do pai, Eugène Schueller. Sete anos antes tinha casado com o político francês André Bettencourt, de quem teve uma filha, Françoise. Patrona da investigação médica e de causas humanitárias, em 1987 criou, com o marido, a Fundação Bettencourt Schueller, dedicada ao financiamento e promoção destas áreas.

A sua vida não foi, porém, isenta de polémicas. Em 2010 foi protagonista de um escândalo político e financeiro de fuga aos impostos, envolvendo também Eric Woerth, ministro do trabalho do executivo de Sarkozy, que alegadamente terá deixado passar em branco as fraudes fiscais.

Bettencourt sofria de demência e estava afastada dos negócios da família desde 2012, quando foi substituída pelo neto no conselho de administração do grupo do qual a família é a principal acionista, com 33% do capital.