A melhor resolução de… Cristina Campos

Cristina Campos, diretora-geral da Novartis, é a prova de que escolhas menos óbvias e decisões arriscadas podem resultar muito bem.

Cristina Campos é diretora-geral da Novartis.

Cristina Campos é diretora-geral da Novartis. 

“A minha melhor resolução foi sair da zona de conforto e estar aberta a oportunidades pouco óbvias. Por vezes, a carreira flui e deixamo-nos andar ao sabor do tempo. Para mim, foi essencial saber parar radicalmente para refletir no caminho, certificar-me das minhas motivações e reforçar as minhas competências. Foi também essencial agarrar oportunidades que à partida não seriam a minha primeira escolha.

A primeira resolução com maior risco pessoal foi fazer um MBA em full-time e deixar a carreira em stand-by por um ano. Para mim, era importante adquirir novas competências, refletir sobre o meu percurso e aprender mais sobre mim própria. A segunda, foi optar por uma função de liderança numa área de negócio que conhecia melhor mas com uma dimensão e complexidade que nunca tinha gerido, em detrimento de uma área de negócio nova para mim que me parecia mais apelativa pelo caráter de inovação.

O principal desafio destas resoluções foi sair para um mundo desconhecido, mantendo o espírito positivo e a abertura para aprender com os melhores, apesar do risco pessoal em demonstrar uma vertente mais vulnerável. No primeiro caso foi também gerir a incerteza do futuro mantendo um foco no presente para tirar o máximo partido da experiência. No segundo caso foi afirmar-me como líder de líderes, ganhar a confiança de uma enorme equipa que já era de sucesso e queria ir mais longe e atingir resultados através das pessoas e não de mim própria.

O resultado foi ganhar mais confiança em mim própria e força para ir mais longe. Após cada resolução o passo a seguir foi ainda melhor do que o anterior. Depois do MBA fui convidada a regressar para uma posição ainda mais atrativa na empresa. Depois da função que assumi sem ter sido a minha primeira escolha mas que o fiz com toda a garra quando a aceitei, cresci enquanto líder e pouco tempo depois fui convidada para a função de Direção Geral.”

 

Leia mais resoluções de executivas portuguesas aqui.