Maria José Amich: “O potencial das mulheres para a liderança é inegável”

Depois de uma carreira de quase 30 anos no mundo corporativo, Maria José Amich assumiu há pouco meses a direção executiva do The Lisbon MBA. Nesta entrevista fala sobre os objetivos na sua nova função e também no impacto que um MBA tem na carreira.

Maria José Amich é diretora executiva do The Lisbon MBA.

Maria José Amich, diretora executiva do The Lisbon MBA desde maio deste ano, tem um currículo bastante diversificado e longo. Iniciou o seu percurso em Copenhaga, como consultora de gestão para a empresa fabricante de açúcar, DDS – De Danske Sukkerfabrikker, atualmente Nordic Sugar. Passou pela banca como analista financeira, em Madrid, e prosseguiu a carreira no setor de FMCG, onde desempenhou funções na direção de marketing e comercial em empresas como Gillette, Kellogg Company e Puig em Espanha e Portugal. Mais tarde, integrou o setor dos media, na direção geral da Sojornal e da Gesco, uma spin-off do Grupo Impresa, assim como na direção comercial e de desenvolvimento de negócio do Semanário SOL. Ao longo da carreira foi ainda diretora de comunicação e conselheira estratégica da empresa familiar Regojo, no setor de fashion retail e, mais recentemente, diretora para Portugal da Summa, consultora especializada em branding.

Licenciada em Economia pela Universidade de Genève e com um MBA pelo IESE Business School, é também fundadora da Associação WomenWinWin, comunidade de mulheres empreendedoras para o desenvolvimento do talento humano e da iniciativa empresarial.

Este novo cargo é uma nova mudança na sua carreira. O que a entusiasmou especialmente neste desafio?
É um privilégio e um orgulho poder estar à frente do The Lisbon MBA, uma instituição de elevado prestígio nacional e internacional, resultado da joint venture de duas top business schools na Europa e no mundo, como são a Católica Lisbon School of Business and Economics e a NOVA SBE, em colaboração com a conceituada escola de negócios MIT Sloan School of Management. Poder colaborar com as equipas destas escolas foi certamente uma das principais razões pelas quais considerei, desde o início, um projeto único.

A minha experiência de quase 30 anos no mundo corporativo, à frente de projetos e áreas de negócio em contextos nacionais e internacionais e em empresas, desde multinacionais a empresas familiares e start ups, ajuda-me a ter uma visão do mundo empresarial que me permite contribuir na missão do The Lisbon MBA: apoiar o desenvolvimento de líderes abrangentes, capazes de ter um impacto significativo nos negócios e na sociedade em qualquer lugar do mundo, através de uma experiência única, num ambiente empreendedor e  internacional.

No The Lisbon MBA oferecemos uma formação holística que permite aos participantes fazer algo tão importante como encontrar e definir o seu propósito  e apoiá-los através do desenvolvimento de competências técnicas e comportamentais, no que denominamos uma transformational journey, para se tornarem líderes  que não apenas conduzem as organizações ao crescimento e ao lucro, mas líderes que servem a sociedade e procuram ter um impacto positivo nas comunidades onde se inserem.

Fazer parte e levar esta missão em frente, reforçando o posicionamento de excelência do The Lisbon MBA e, consolidando o seu prestígio nacional e internacional, é para mim, uma oportunidade excecional.

Qual a sua missão e objetivos como diretora executiva do The Lisbon MBA?
Enquanto diretora-executiva do The Lisbon MBA, quero continuar a consolidar a proposta de valor única e distintiva e trabalhar com todos os stakeholders, alumni, faculty, comunidade empresarial e parceiros, fomentando relações duradouras e sustentáveis, para reforçar o posicionamento de excelência desta instituição.  Continuar a atrair o melhor talento para os nossos programas, através do mindset aberto e inovador que nos caracteriza, apostar na diversidade, através de um conjunto de iniciativas que permitam atrair mais estudantes estrangeiros e mulheres para os nossos programas – International Full-Time MBA e Executive MBA – e impulsionar o prestígio do The Lisbon MBA no panorama académico nacional e internacional que se tem vindo a refletir na nossa posição crescente nos rankings.

O facto do The Lisbon MBA resultar de uma iniciativa conjunta das duas melhores business schools de Portugal em parceria com a MIT Sloan School of Management, desafiou o status quo e permitiu construir um projeto de raiz e que é hoje uma referência a nível mundial, sendo a única instituição na Europa que oferece no seu programa de MBA um Immersion Program no MIT Sloan School of Management.

Em termos de objetivos, queremos reforçar a posição do The Lisbon MBA enquanto referência para os Programas MBA em Portugal. O facto de sermos o único MBA em Portugal nos rankings do Financial Times, o mais prestigiado ranking do setor: “FT Global MBA Ranking”, fazendo parte da elite mundial dos Master of Business Administration (MBA), permite-nos concorrer diretamente com as melhores escolas internacionais de educação de negócios, e dessa forma, atrair estudantes de todo o mundo, o que nos leva a desafiar-nos permanentemente. Este posicionamento tem vindo a ser construído há alguns anos e desde 2013 que o programa está no ranking dos melhores MBA’s a nível mundial, tendo sido considerado em 2019, e pelo segundo ano consecutivo, o melhor MBA do mundo em International Course Experience e o melhor da Europa em Progressão de Carreira pelo Financial Times Global MBA ranking 2019.

Outro dos objetivos passa por reforçar a vertente internacional, com a formação de novas parcerias com universidades estrangeiras para iniciativas como o International Lab e o Exchange Program. Pretendemos, assim, reforçar a nossa projeção internacional, com um corpo docente que neste momento já representa 35% do total, o perfil internacional das turmas, atualmente com 50% de alunos estrangeiros no International full-time MBA e cerca de 20% no ExecutiveMBA e a ligação com o sector empresarial em  mercados internacionais.

Todos estes fatores, a par com a aposta no desenvolvimento pessoal e nas competências comportamentais (soft skills), sem dúvida alguma vão contribuir para uma visão holística e integrada do aluno, formando-o enquanto agente de mudança com um impacto positivo na sociedade e no mundo. É este um objetivo global e diferenciador do The Lisbon MBA relativamente a outros programas.

O desenvolvimento pessoal, no que respeita às competências comportamentais, está no ADN do The Lisbon MBA.

Quais os principais desafios que a formação executiva enfrenta atualmente e que tendências se perfilam?
A tecnologia e a globalização são atualmente dois dos principais desafios para todos os setores da sociedade, incluindo também o da formação e educação. Assegurar a alinhamento dos conteúdos dos programas com a transformação digital no mundo dos negócios, e as consequentes implicações na forma como as instituições transmitem o conhecimento e como os ensinamentos se refletem em termos de aprendizagem por parte dos alunos, é um desafio crucial para as atuais escolas de formação em gestão de negócios. Por outro lado, a formação tem de estar cada mais próxima do contexto real das empresas, que resulta na necessidade de trazer não só casos reais para a discussão em aula mas também os testemunhos das pessoas que estão à frente desses casos, que partilham a sua forma de liderar nestes tempos VUCA (Volatility, Uncertainty, Complexity, and Ambiguity), de inspirar, motivar e mobilizar as suas equipas.

Estamos sempre a revisitar o conteúdo dos nossos programas, incluindo disciplinas que acompanhem as tendências de mercado, como é caso das cadeiras como Artificial Intelligence e Big Data Analytics, Innovation Management, Financing Entrepreneurial Ventures ou Branding e Design Thinking. No caso do The Lisbon MBA, algumas destas matérias integram os programas já há algum tempo.

Outra das tendências a destacar está relacionada com a importância das soft skills, ou seja, as competências comportamentais. Além das competências de gestão mais específicas, formamos gestores capazes de liderar, inovar e empreender através da aquisição de um pensamento crítico e estratégico. O desenvolvimento pessoal, no que respeita às competências comportamentais, está no ADN do The Lisbon MBA. Competências como saber trabalhar bem em equipa, gerir conflitos, negociar, e desenvolver atitudes comportamentais como resiliência, empatia, ponderação, fazem parte do curriculum de formação através de workshops, que levam os alunos a sair da sua zona de conforto e a fazer o que chamamos learning in action. Adicionalmente, os nossos alunos são acompanhados de forma personalizada através de sessões individuais de coaching e mentoring.

Melhores pessoas tornam-se melhores líderes, e esta é a filosofia por detrás da solidez dos nossos programas de desenvolvimento comportamental. O MBA permite, de facto, definir um caminho para a liderança, com propósito, ajudando a desenvolver líderes autênticos, honestos, responsáveis e resilientes. No The Lisbon MBA não nos cansamos de repetir que formamos líderes que aspiram a fazer a diferença através do valor que criam e do impacto positivo que causam nos seus clientes, funcionários, investidores e comunidades, cujas vidas enriquecem.

A participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a gestão e liderança em todos os níveis das organizações, no mundo corporativo, político e público, tem de estar garantida também na formação.

Qual a representatividade feminina no The Lisbon MBA e que medidas podem ajudar a aumentar a sua participação?
Um dos tópicos no mundo das escolas de negócios é o da diversidade, entre outros, de género. Existem muitos exemplos de estudos que destacam as vantagens da diversidade, da complementaridade das competências na gestão das empresas, e as escolas de negócio têm que refletir este benefício nos perfis das suas turmas.

No caso do The Lisbon MBA, a representatividade feminina é de 30% dos alunos no programa International full-timeMBA, e 34% no Executive MBA, este último com um aumento de 10% relativamente ao ano anterior. A promoção do talento e desenvolvimento das mulheres na gestão, e o reforço das suas competências de liderança, tem sido um dos objetivos do The Lisbon MBA, que conduziu à criação da iniciativa Women in Business Award. Estas bolsas, dirigidas a mulheres com um percurso excecional, e candidatas a ambos os programas de MBA – Executive e International full-time -, visam fomentar a participação das mulheres na liderança das organizações, através de um apoio ao investimento em formação.

Com a iniciativa Women in Business Award, o apoio pode ir até 50% do custo das propinas. A decisão do montante a comparticipar irá depender das várias componentes da candidatura, com grande foco no talento e trajetória da candidata e a progressão de carreira. Estas bolsas que pretendem incentivar as mulheres na sua educação avançada na área da gestão, são mais um passo do The Lisbon MBA para reforçar a diversidade no mundo corporativo, uma clara vantagem competitiva na performance dos negócios. Esta é uma medida que contribui para a diversidade, um dos objetivos de desenvolvimento sustentável definidos pela ONU. A participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a gestão e liderança em todos os níveis das organizações, no mundo corporativo, político e público, tem de estar garantida também na formação.

É importante que as escolas de negócios contribuam para o desenvolvimento da capacidade de gestão da diversidade, competência crítica com impacto direto na eficácia de um líder. Falar apenas sobre diversidade não é suficiente. É importante definir objetivos e planos, implementá-los e ir monitorizando os resultados.

As mulheres nem sempre percebem o quanto estão preparadas para o sucesso em papéis de liderança, mas o seu potencial e as suas capacidades são inegáveis.

De que forma uma melhor educação executiva pode contribuir para melhorar a situação das mulheres no trabalho?
O MBA Executivo abre portas e proporciona um conjunto de competências de gestão e liderança. Além da formação atualizada em todos os âmbitos do negócio, com particular incidência na forma como a tecnologia está a mudar os modelos de negócio, o programa proporciona uma plataforma excelente de networking e aprendizagem coletiva. A diversidade também presente no Executive MBA do The Lisbon MBA desenvolve as competências para que os nossos alunos possam ter uma visão holística e global do negócio e incentiva o pensamento lateral e inovador, crucial para a sustentabilidade das organizações.

Apesar das mulheres representarem uma maior fatia da população mundial, e terem ultrapassado a percentagem de homens com estudos superiores, nomeadamente com maior número de licenciaturas relativamente aos mesmos, continuam aquém destes na realização do MBA e no desempenho de posições de topo na gestão de empresas ou na criação de novos negócios.

Mas, temos razões para nos sentirmos otimistas, uma vez que cada vez mais mulheres desempenham cargos de liderança. Recentemente foi publicado um estudo em que se destaca que em Portugal, e no espaço de um ano, as mulheres duplicaram nos lugares de topo das empresas. A título de exemplo, a representação de mulheres nos conselhos de administração e nos órgãos de fiscalização do sector empresarial público e das empresas cotadas em bolsa passou de 16% a perto de 25%. Estamos claramente na direção certa, mas ainda há muito caminho por percorrer, como por exemplo a desigualdade salarial, que continua a ser uma questão crucial.

As mulheres nem sempre percebem o quanto estão preparadas para o sucesso em papéis de liderança, mas o seu potencial e as suas capacidades são inegáveis. Inúmeros estudos demonstram que as mulheres tendem a ser líderes transformacionais, proporcionam visão, sentido de missão e propósito à organização. Transmitem valores e orgulho de pertença aos projetos. São menos hierárquicas, criam empatia com mais naturalidade, promovem a cooperação e o empowerment, o que lhes permite ganhar a confiança dos seus colaboradores e incrementar a sua motivação e desempenho. Por outro lado, também tem vindo a demonstrar-se que as mulheres são naturalmente capazes de realizar múltiplas tarefas em simultâneo, gerir situações de conflito e de stress com maior facilidade, levando os especialistas a atribuir a designação de think-crisis-think female, em situações limite.

Também no empreendedorismo se tem assistido a uma progressão. Portugal é um dos melhores países do mundo para as mulheres prosperarem enquanto empreendedoras, posicionando-se no 6º lugar do ranking segundo o Mastercard Index para o Empreendedorismo feminino, e um MBA pode contribuir para acelerar o crescimento para essa opção de carreira.

A realização do MBA pode ajudar a construir com sucesso um negócio próprio, dado que permite estruturar um pensamento empreendedor, proporcionando conhecimento, competências e visão sobre vários aspetos, facilitando a experiência, transmitindo uma determinada cultura de inovação, aprendizagem através de casos práticos e, sobretudo, a transformação do mindset e o desenvolvimento de qualidades de liderança, que serão extremamente úteis para as mulheres.