Margarida Teixeira da Mota trocou a reforma pelos negócios

Margarida Teixeira da Mota lançou um pequeno negócio familiar de calçado, a Citadin Shoes, aos 66 anos.

Margarida Teixeira da Mota garante que nunca é tarde para lançar um negócio.

Criada no final de 2013, a Citadin Shoes é um negócio familiar de calçado gerido por Margarida Teixeira da Mota. Mãe de quatro filhos, a ideia surgiu de dois deles, que, a trabalhar no estrangeiro, se queixavam da dificuldade em encontrar calçado de qualidade a preços razoáveis. Nessa altura, a matriarca já estava na reforma, mas não queria estar parada. Decidida a retomar o ritmo, a ideia finalmente surgiu: porque não criar uma empresa familiar de sapatos?

O facto de a família não estar ligada à indústria do calçado e de os sapatos serem feitos de acordo com o seu gosto representou um grande risco, mas parece ter funcionado. Produzidos numa empresa fabril no norte do país, na qual a família deposita a máxima confiança, Margarida não dispensa as idas à fábrica para acompanhar de perto a produção de novos modelos. A escolha dos materiais utilizados é criteriosa e só após muita reflexão e consenso entre os três é que as encomendas são feitas. Ainda assim, é a matriarca a detentora da palavra final, avançando apenas quando realmente gosta. Nas suas palavras, “só vendo aquilo de que gosto”.

Outra caraterística da marca é o facto de produzir apenas calçado masculino. O processo de criação de calçado para mulheres é mais complexo pois implica várias cores, tacões e materiais. Mas tal não é impeditivo para uma clientela feminina. A Citadin Shoes tem atualmente muitos pedidos de mulheres e, segundo a empreendedora, está prevista, dentro de um ano, a existência de um ou dois modelos especialmente criados para elas.

Mas o que realmente distingue a Citadin Shoes é a sua relação com o cliente. A empresa pauta-se por um contacto permanente e, como retorno, recebem confiança e fidelidade. Além disso, a máxima “o cliente tem sempre razão” é de ouro. Se encomendar, quer não goste, quer não sirva, quer tenha defeito, é-lhe devolvido o dinheiro, e qualquer troca não tem encargos para o cliente. Para Margarida, é esta a caraterística que levou a Citadin Shoes a conquistar clientes dentro e fora de Portugal.

Apesar de a ideia inicial, em 2014, ter sido a expansão para o estrangeiro, as vendas ainda acontecem essencialmente em Portugal, onde concentram 90% da faturação. Ainda assim, a Citadin Shoes já exporta, em pequenas quantidades, para oito países, mas quer reforçar este canal de vendas em especial, nos países com mais poder de compra da Europa, algo que deverá ser feito através de um marketing mais agressivo ou da presença da empresa numa feira internacional.

Aos 70 anos Margarida Teixeira da Mota acredita que qualquer idade é boa para lançar um negócio. O importante é ter ideias, vontade de trabalhar e resiliência. A prova é aquilo que está a conseguir fazer com a Citadin Shoes, que nasceu da necessidade dos filhos em encontrar calçado de qualidade a preços razoáveis e já calça hoje mais de um milhar de clientes.