Conheça as 4 jovens cientistas distinguidas pela L’Oréal Portugal

A 15ª edição das Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência premiou Patrícia Costa Reis, Joana Caldeira, Joana Cabral e Diana Madeira e as investigações sobre lúpus, discos intervertebrais, redes cerebrais e vida nos oceanos, respetivamente.

Patrícia Costa Reis, Joana Caldeira, Joana Cabral e Diana Madeira, as premiadas desta 15ª edição.

As Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência já vão na sua 15ª edição e acabam de distinguir mais quatro jovens cientistas portuguesas pelos seus trabalhos de investigação.

Patrícia Costa Reis , investigadora do Instituto de Medicina Molecular, professora na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e pediatra no Hospital de Santa Maria, quer perceber se os doentes com lúpus têm uma maior permeabilidade do intestino, que poderá ser responsável pela passagem de bactérias aí existentes para a circulação sanguínea e, assim, contribuir para a ativação crónica do sistema imunitário.

Joana Caldeira, investigadora do i3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto, quer utilizar a tecnologia de edição genética CRISPR (CRISPR/Cas9) para a regeneração dos discos intervertebrais, cuja degeneração causa a dor lombar que afeta mais de 70% da população mundial e para a qual os tratamentos atuais não são eficazes a longo prazo. A investigadora irá recorrer a esta ferramenta para reativar genes típicos do microambiente fetal com o objectivo de potenciar as atuais terapias regenerativas com células estaminais.

Será possível representar matematicamente as redes funcionais em que se organiza o cérebro humano saudável e entender porque se encontram alteradas em doentes neurológicos e psiquiátricos? É o que quer apurar Joana Cabral, investigadora do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde, da Universidade do Minho, doutorada em Neurociência Teórica e Computacional, em Barcelona, e formada em Engenharia Biomédica. Com a sua investigação, Joana Cabral poderá fazer diferença no entendimento de doenças psiquiátricas e neurológicas.

Já a bióloga e investigadora no CESAM/ECOMARE da Universidade de Aveiro, Diana Madeira, está a tentar entender se, ao longo de várias gerações, os organismos marinhos conseguem responder e adaptar-se a um oceano cada vez mais pressionado pelas alterações climáticas e pela poluição. Com um mestrado em Ecologia Marinha e um doutoramento em Química Sustentável, o trabalho de pesquisa científica de Diana pode ajudar a melhorar a gestão dos recursos marinhos e a sustentabilidade dos oceanos.

As quatro jovens investigadoras, com idades entre os 30 e os 36 anos, foram selecionadas entre mais de 70 candidatas por um júri científico, presidido por Alexandre Quintanilha. A cada uma é atribuído um prémio individual de 15 mil euros, com o objetivo de apoiá-las nas suas pesquisas e motivá-las a prosseguir estudos relevantes nas áreas da saúde e ambiente.

“Portugal está a fazer um percurso positivo na igualdade de oportunidades e no reconhecimento das mulheres na área da ciência, porém há ainda muito por fazer sobretudo nos lugares de topo. Este Prémio reconhece o mérito e a importância dessas jovens cientistas e serve de incentivo para prosseguirem a fazer ciência com qualidade”, refere Cátia Martins, CEO da L’Oréal Portugal, sublinhando que “a L’Oréal continuará a dar o seu contributo, em Portugal e nos mais de 120 países onde está presente, para desafiar mentalidades e promover a igualdade de género na ciência”.

Nos seus 15 anos de existência, esta iniciativa promovida pela L’Oréal Portugal, em parceria com a Comissão Nacional da UNESCO e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia, já apoiou 49 jovens cientistas nacionais. Globalmente, a L’Oréal já reconheceu e premiou mais de 3100 investigadoras de 117 países.