Investir com… Laurentina Gomes

Administradora do grupo Liscic/Listopsis há 25 anos, Laurentina Gomes partilha com a Executiva os maiores investimentos que fez na sua vida profissional e também a nível pessoal.

Laurentina Gomes orgulha-se dos prémios que têm sido conquistados pelo seu Grupo.

“Sempre assumi a gestão do meu património tanto a nível pessoal como profissional. Acredito que o facto de desde muito cedo ter começado a praticar desporto foi algo importante no desenvolvimento da capacidade de gestão. A determinação, a disciplina e a responsabilidade que o desporto exige acabou por moldar a minha personalidade e isso estendeu-se também aos negócios e a capacidade de gestão aconteceu de uma forma natural na minha vida. Assim, desde cedo compreendi que é necessário fazer escolhas para gerir e planear o património pessoal e empresarial para investir os recursos financeiros e obter os melhores resultados.

Ao nível profissional, o maior investimento da minha vida foi em 1993, quando a multinacional alemã da indústria farmacêutica Hoechst, num movimento de concentração estratégica, decidiu vender o departamento de sistemas de informação que representava a marca TOSHIBA. Juntamente com a equipa de gestão do DEPSI, liderada por Joaquim Guerreiro, percebi que era a oportunidade ideal de criar uma empresa de raiz e 100% portuguesa, um risco que assumimos e que me projetou no mundo empresarial – a empresa estava na altura avaliada acima dos 4,5 milhões de euros. Foi a partir deste desafio que nasceu o Grupo Liscic/Listopsis e, passados 25 anos, é uma honra estar na génese da criação de duas empresas de sucesso: a Liscic que representa uma multinacional em Portugal há mais duas décadas, a Toshiba, e a Listopsis que em plena época de crise expandiu geograficamente o seu negócio para Porto e Braga num cenário em que muitos concorrentes desapareceram.

No meu percurso como empresária foi, e continua a ser, necessário ter a coragem de fazer os investimentos necessários para continuar a desenvolver os negócios num mercado altamente competitivo.

Ser empresária é acima de tudo uma grande responsabilidade, é assumir riscos, e mesmos nos piores momentos da economia o nosso Grupo tem feito investimentos em busca da expansão e de novas oportunidades de negócio mantendo sempre a sustentabilidade financeira.

No meu percurso como empresária foi, e continua a ser, necessário encontrar soluções, fazer mudanças, avaliar riscos e ter a coragem de fazer os investimentos necessários para continuar a desenvolver os negócios num mercado altamente competitivo e em permanente mudança. Enfrentar riscos e investir representa muitas vezes receios do futuro que devem que ser ultrapassados com determinação, confiança e uma visão clara do projeto empresarial que ambicionamos e partilhamos com as equipas de trabalho focadas nos objetivos e motivadas para projetos de sucesso.

Aprendi que o ‘sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo’, como dizia Winston Churchill. Ultrapassando muitos obstáculos, dificuldades e maus momentos, hoje somos um grupo sólido que merece a confiança dos clientes e de marcas mundiais, como a Toshiba, a NEC e a HP, entre outras.

Não devemos descurar a nossa formação, investimento importante numa lógica de desenvolvimento pessoal e profissional e coerente com planeamento de carreira, ou negócio ou mesmo pessoal.

No âmbito pessoal, o maior investimento da minha vida foi e ainda é, na educação e na formação dos meus três filhos. Para além do tempo que dedico, atenção, amor, educação e disponibilidade, os filhos requerem investimento financeiro para lhes poder proporcionar as melhores condições para o desenvolvimento de competências humanas e profissionais que levam para a vida.

Ainda dentro do âmbito pessoal uma das áreas que não devemos descurar é a nossa própria formação, investimento importante numa lógica de desenvolvimento pessoal e profissional e coerente com planeamento de carreira, ou negócio ou mesmo pessoal.

Por fim, e igualmente importante, investir na chamada ‘economia da felicidade’, ou seja, em experiências que possam gerar satisfação, bem-estar emocional e que perdurem no tempo e nos tornem mais felizes (viagens, desportos ou outros). Educação, auto-formação e experiências de vida devem ser planeadas no âmbito dos recursos disponíveis, não descurando nunca que também é importante economizar e rentabilizar as economias em investimentos que possam traduzir em bons retornos.”