#GCLF19 Melissa Whiting: “A diversidade tem de ser prioridade para os negócios”

A advogada australiana e vice-presidente para a inclusão e diversidade da Philip Morris International veio a Lisboa falar de igualdade salarial, diversidade de género nas empresas e da certificação concedida à PMI e subsidiárias espalhadas pelo mundo, Tabaqueira incluída, que reconhece que ali se pagam salários iguais por trabalho igual, a homens e mulheres.

Melissa Whiting, vice-presidente para a Inclusão e Diversidade da Philip Morris International.

A Tabaqueira, subsidiária da Philip Morris International (PMI), tornou-se a primeira empresa portuguesa certificada com um selo da igualdade salarial. Reconhecida em março deste ano pela Equal Salary Foundation como empresa que paga de igual forma a mulheres e homens nas geografias onde opera, a PMI manifesta assim o compromisso para com a igualdade salarial entre géneros e a criação de ambiente de trabalho mais inclusivo. Estes são também tempos de transformação para a multinacional, de tradicional fabricante de cigarros para uma empresa que hoje aposta no desenvolvimento de produtos sem fumo.
Melissa Whiting, que desde 2017 é vice-presidente para a inclusão e diversidade na PMI, foi entrevistada por Isabel Canha na 5.ª Grande Conferência Liderança Feminina, onde falou de igualdade de género nas organizações, do processo de certificação que reconheceu este compromisso da multinacional, de estratégias para promover o desenvolvimento das carreiras femininas e até de síndrome do impostor. “A melhor forma de fechar o gap salarial é garantir a igualdade de oportunidades”, lembrou. “Para mim é espantoso que, em pleno século XXI, as mulheres ainda não tenham como garantido salário igual para trabalho igual. Por isso, na Philip Morris e na Tabaqueira, em Portugal, quisemos confirmar que estávamos a pagar de forma igualitária para trabalho igual e recorremos a uma forma de certificação externa.”
Veja a entrevista completa em vídeo aqui (em inglês).