Como cumprir as resoluções para 2016

Geralmente os desejos que pedimos ao som das 12 badaladas esfumam-se em menos de um mês. Para que este ano seja diferente, perguntámos à psicóloga Filipa Jardim Dias o que fazer para chegar ao final de 2016 com a sensação de missões cumpridas.

A chegada do novo ano é ideal para mudar o que achamos que está mal na nossa vida.

Como fazer com que os desejos de Ano Novo se transformem em decisões e sejam mesmo cumpridas? Os psicólogos sabem que não existe um caminho fácil para se mudarem hábitos e comportamentos, e alguns até defendem que fazer promessas ao som das 12 badaladas é meio caminho andado para a frustração. Na verdade, muitas estatísticas mostram que as boas intenções fracassam em menos de 30 dias. Um estudo publicado no Journal Clinical Psychology revela que apenas 8% dos inquiridos conseguiu cumprir as promessas da passagem de ano.

Faça de 2016 o ano em que conseguirá realizar mais mudanças na sua vida.

Mesmo suspeitando que podem não conseguir concretizá-las, muitos veem na chegada de um novo ano a possibilidade de apagar o que está mal e iniciar mudanças de vida. A psicólogo clínica Filipa Jardim da Silva, da Oficina de Psicologia, partilha algumas técnicas para cumprir os resoluções do novo ano e evitar a desilusão e a frustração tão características das semanas seguintes. Para que a lista de desejos não se arraste de um ano para o outro e “este ano seja mesmo diferente”.

1. É importante escolher objetivos emocionalmente significativos para si

É essencial iniciar-se o novo ano com um forte desejo em cumprir as resoluções definidas, caso contrário não será possível manter a motivação. O facto de atribuirmos ao objetivo um grande valor poderá revelar-se um fator crucial para manter a motivação.

2. Os objetivos querem-se SMART 

É fundamental que os objetivos sejam específicos, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e definidos no tempo. Para se alcançar algo é importante começar pela forma como se define a meta.

3. Mais do que desejos, querem-se ações

Associe aos seus objetivos um plano de ação e coloque-o em prática, começando por pequenas ações específicas e concretizáveis a curto prazo.

Envolver a rede de suporte pode ser uma ajuda para não desistir.

4. Para se sentir diferente há que habitar o mesmo cenário de forma distinta

Nem sempre é possível mudarmos de ambiente para mudar de comportamento. Mais do que o nosso contexto, importará a forma como o perspetivamos e como nos colocamos nele. É importante considerar o impacto das variáveis do meio no nosso caminho rumo à mudança.

5. Mais do que idealizar o sucesso, prepare-se para falhar

É útil naturalizarmos a falha e os insucessos no caminho de concretização dos objetivos. Aceitá-los e aprender com eles pode revelar-se determinante para alcançarmos as nossas metas, ao invés de nos culparmos e desiludirmos profundamente por não ser um caminho linear.

6. Cuidar do corpo e da mente é fundamental

Um corpo bem dormido, alimentado e exercitado, é um corpo mais saudável e equilibrado, constituindo assim um substracto importante para a concretização de metas e um progressivo ganho de bem-estar.