CEO portugueses apelam à ação pelos Direitos Humanos 

Líderes empresariais nacionais subscrevem a versão portuguesa  do Guia do CEO sobre Direitos Humanos, lançada hoje pelo BCSD Portugal. Este Guia é um manual para promover um maior envolvimento da gestão das empresas na melhoria das condições de vida dos colaboradores e das comunidades. O sexismo é um dos tópicos.

Claudia Azevedo é a Mulher Sonae.

Presidentes e CEO portugueses subscreveram a versão portuguesa do “Guia do CEO sobre Direitos Humanos”, lançada hoje pelo BCSD Portugal. Neste Guia, os empresários e gestores subscritores lançam o desafio aos seus pares para uma maior ambição na promoção dos direitos humanos nas suas organizações e na sua cadeia de valor, indo para além da gestão de risco e do cumprimento dos quadros legislativos e regulatórios, na busca de transformações positivas na vida das pessoas. 

O Guia do CEO sobre Direitos Humanos identifica os quatro principais desenvolvimentos em matéria de direitos humanos que desafiam as empresas a ir mais longe: 1) a regulação está a tornar as expetativas exequíveis; 2) o interesse público é elevado; 3) a expectativa em relação às empresas é grande; 4) as expectativas dos investidores são cada vez maiores. 

A Brisa, a EDP, a Sonae e a The Navigator Company, empresas membro do WBCSD e também do BCSD Portugal, subscreveram a versão original do “CEO Guide to Human Rights”. A Altri, a BA Glass, a Efacec, a Eurest e a Tintex são empresas portuguesas que subscrevem a versão portuguesa do “Guia do CEO sobre Direitos Humanos.”

“O respeito pela dignidade humana é um princípio que deve presidir a todas as relações, incluindo as que têm lugar na esfera empresarial. Num mundo em que vivemos situações de risco permanentes, quer no plano ambiental, com a emergência climática, quer no plano social, com as migrações, apenas para dar alguns exemplos, é crucial que as empresas integrem o respeito pelos Direitos Humanos na gestão responsável do seu negócio e potenciem os impactos positivos que podem ter na sociedade. Desenvolver relações de respeito e equidade com todos os seus parceiros, desde os colaboradores às comunidades envolventes, e prevenir situações de risco para os direitos humanos na sua cadeia de valor, é da maior importância neste contexto”, descreve em comunicado João Castello Branco, CEO da The Navigator Company e Presidente do BCSD Portugal.  E acrescenta: “as empresas que integram o BCSD Portugal procuram seguir as melhores práticas neste domínio e promover a sua partilha. Por isso, assumimos publicamente o nosso compromisso em respeitar os Direitos Humanos.” 

Acerca do Guia, o Secretário Geral do BCSD Portugal, João Wengorovius Menezes, recorda: “O investimento em ações sociais e a mitigação dos impactos negativos colocam-se como fatores decisivos para a melhoria das condições de negócio e caminham no sentido da concretização de diferentes metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas”, para afirmar “estamos convictos de que a partilha das experiências empresariais auxilia as suas lideranças no reconhecimento de oportunidades e necessidades de atuação ao nível dos direitos humanos”. 

O “Guia do CEO sobre Direitos Humanos” é a versão portuguesa do “CEO Guide for Human Rights”, lançado no dia 19 pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) e é da responsabilidade do Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (BCSD Portugal) e do Conselho Empresarial Brasileiro pelo Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). 

O “CEO Guide for Human Rights” foi subscrito por 43 empresas, de 17 países, com 2,8 milhões de colaboradores diretos e uma cadeia de valor global vasta e transversal a 17 setores empresariais. Este guia é o resultado de uma colaboração entre o WBCSD, os CEO das empresas-membro e a Shift.

Os CEO portugueses que subscreveram os Guias são: Paulo Fernandes, Presidente do Conselho de Administração, Altri; Sandra Santos, BA Glass; Vasco de Mello, Brisa; António Mexia, EDP; Ângelo Ramalho, Efacec; Henrique Leite, Diretor Geral, Eurest Portugal; Cláudia Azevedo, Sonae; João Castello Branco, The Navigator Company; e Jorge Mário Silva, Tintex.

Guia do CEO sobre Direiros Humanos_PT

O que é o BCSD Portugal
O Business Council for Sustainable Development (BCSD) Portugal é uma associação sem fins lucrativos, que agrega e representa mais de 90 empresas de referência em Portugal, que se comprometem ativamente com a transição para a sustentabilidade. Ajuda as empresas associadas na jornada para a sustentabilidade, promovendo o impacto positivo para stakeholders, a sociedade e o ambiente.Tem uma ampla representação setorial e agrega empresas de diferentes dimensões, desde as que integram o índice bolsista PSI20 a outras de menor dimensão. O volume de vendas dos associados representa 38% do PIB nacional, 65 mil milhões de euros em volume de negócios e, este grupo de empresas, dá emprego a mais de 270 mil colaboradores.Em Novembro de 2017, publicou a Carta de Principios do BCSD Portugal, que estabelece os princípios que constituem as linhas orientadoras para uma gestão comprometida com a sustentabilidade, incentivando os subscritores a ir além do cumprimento legal, adotando normas e práticas reconhecidas e alinhadas com padrões de gestão éticos, sociais, ambientais e de qualidade, em qualquer contexto da economia global.O BCSD Portugal integra a rede mundial do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a maior organização internacional a trabalhar na área do desenvolvimento sustentável, com mais de 200 empresas associadas em diferentes países e 68 organizações independentes nos cinco continentes que, em conjunto, representam mais de 20 mil empresas e uma rede internacional de parcerias.