Catarina Lucas: 10 estratégias para equilibrar a vida profissional e pessoal

A psicóloga clínica Catarina Lucas fala dos passos imprescindíveis para qualquer líder ou empreendedora conciliar uma agenda de trabalho cheia com as suas necessidades pessoais e a vida familiar. Até porque o caminho para o sucesso passa pelo equilíbrio, diz.

Catarina Lucas, psicóloga clínica

A mulher atual é cada vez mais empreendedora, pró-ativa, determinada e, consequentemente, bem-sucedida. Muitas têm cargos de liderança ou gerem as suas próprias empresas. Este foi um patamar alcançado a muito custo e do qual a mulher já não está disposta a abdicar. Longe vai o tempo em que apenas obtinha a sua realização ao ser esposa e mãe.

A verdade é que a forma como a mulher se auto-realiza é uma escolha de cada uma, não existindo um certo e um errado. Se há quem obtenha a sua realização no papel de mãe a tempo inteiro, outras mulheres existem que precisam conciliar mundos (pessoal e profissional) para se sentirem realizadas. Mas a conciliação dos dois mundos é, por vezes, um enorme desafio, uma vez que parecem ainda existir funções que, tipicamente, lhe são mais atribuídas, nomeadamente a casa e os filhos. Estamos, por isso, perante um atolar de tarefas que leva a mulher a, frequentemente, esquecer-se dela própria. É necessário um equilíbrio muito grande entre a vida familiar, profissional e pessoal.

O desequilíbrio entre as responsabilidades profissionais e pessoais vai gerando desorganização emocional, quadros de ansiedade e burnout ou depressão, o que, por seu lado, vai afetar negativamente o desempenho, tanto profissional como nos compromissos pessoais.

Se é uma empreendedora, uma líder ou uma pessoa com múltiplas responsabilidades, é importante começar a organizar-se de modo a conciliar as várias esferas da sua vida. Estar em lugares de destaque é exigente, consome tempo e energia e, a verdade, é que a vida pessoal e familiar continua a existir. Por isso, há alguns truques que é necessário começar a implementar.

Trabalhar numa área de interesse é o primeiro passo. É comum ouvir-se que, “quem corre por gosto não cansa”. Não é verdade. Também cansa, mas cansa mais devagar. A motivação é sempre superior quando a pessoa se dedica a algo que gosta. Não deve ter em vista apenas o rendimento que pode obter dessa atividade profissional, mas sim o prazer que daí pode retirar. A probabilidade de levar frustrações para casa também diminui significativamente.

Estabelecer prioridades é outra resolução. O que é mais urgente? O que pode ser feito depois? Não perder tempo em tarefas secundárias é essencial para que se cumpram os prazos das tarefas urgentes. É preciso ainda avaliar quando devem os compromissos profissionais estar à frente dos pessoais e vice-versa.

– É muito importante fazer uma gestão eficaz do tempo. Quando existe uma carreira desafiante, este ponto é impreterível. É preciso reservar tempo para os compromissos pessoais, não negligenciando os profissionais. A agenda e os lembretes são um bom aliado.

– A assertividade passa a ser a palavra de ordem. Ela permite defender opiniões e valores, desde que respeitem o outro. Permite também dizer não, seja no contexto pessoal ou profissional. É fundamental dizer não a tarefas, pedidos ou compromissos que nada acrescentam e apenas tornam o dia-a-dia mais atolado. Por outro lado, é também importante fazer uma boa distinção entre aquilo a que é necessário dizer não e aquilo a que é imprescindível dizer sim. O segredo está numa análise eficaz.

Delegar, às vezes, é fundamental. Ninguém controla tudo nem consegue estar em todo o lado. Repartir tarefas, pessoais e profissionais, confiar naqueles que estão em redor pode ser uma ajuda enorme no equilíbrio entre os vários contextos onde a pessoa se move.

Reservar tempo ao descanso e lazer é outra regra fundamental. Ninguém pode ser bom naquilo que faz quando não está bem consigo. Ninguém consegue ser um profissional dedicado quando não descansa ou cuida de si.

Estar com a família e os amigos nunca deve ser deixado de lado. Tudo o que se conquista ao longo da vida só faz sentido quando é partilhado. De que serve um grande sucesso profissional quando não existe alguém para o partilhar?

As férias são obrigatórias. Seja sozinha, em família ou com amigos. Não tirar este tempo pode implicar sérios danos à saúde física e emocional.

Investir em si mesma é importante para se manter estável. Este investimento pode ser físico ou intelectual. O corpo é um dos bens mais preciosos do ser humano e este deve estar em equilíbrio com a mente.

Procurar ajuda especializada quando sentir que não está a conseguir lidar com tudo sozinha. Se começar a sentir sintomas de ansiedade ou depressão, procure um profissional. É importante também fazê-lo para reorganizar ideias, desenvolver-se enquanto pessoa ou conhecer-se melhor. Todas as pessoas de sucesso têm múltiplos fatores e ajudas externas à concretização dos seus objetivos.

A conciliação das várias esferas permitirá um ponto de equilíbrio que certamente contribuirá para o sucesso. Descurar este aspeto pode ser desastroso.

 

Catarina Lucas, psicóloga clínica e diretora clínica do Centro Catarina Lucas – Psicologia e Desenvolvimento