Voto inútil

De momento, a única coisa que sei sobre as legislativas é contra quem é que eu vou votar, o que significa que não sou completamente a favor do meu voto. É como quando vou ao cabeleireiro e me perguntam como é que quero o cabelo e eu respondo que não gosto de capacetes nem de cortes redondos. É verdade que ao votar contra o bob posso estar a eleger um penteado muito pior, com a importante diferença de que o cabelo volta a crescer e o meu rendimento líquido não. Votar contra um dos partidos favoritos é votar num dos partidos favoritos. É votar nos reis da selva eleitoral, sem garantias de imunidade à selvajaria, e dizer a partidos mais pequenos como o Pan que vão pentear macacos (o que neste caso específico não seria completamente despropositado).

– Mãe, em quem é que vais votar no dia 4?

– Filho, o voto é secreto

– Também posso votar?

– Não, só quando tiveres 18 anos

– Porquê?

– Porque não conseguirias votar em consciência.

Isso é o que chamo uma resposta à político. Em duas respostas, consegui não dizer nada: não fui completamente verdadeira mas também não disse nenhuma mentira. O voto é é tão secreto que nem a mim se revelou, o que torna a minha segunda resposta verdadeiramente hipócrita. Tenho aprendido umas coisas, não sou completamente Parva lorem ipsum….