Um branco distinto do Dão

Produzido na região de Nelas, pela Caminhos Cruzados, de uvas colhidas em vinhas velhas, o Teixuga 2013 foi apresentado em repasto criado por Vincent Farges em local inesperado.

 O local era improvável, uma loja de cozinhas para restaurantes, bem perto do museu Arpad-Szenes Vieira da Silva e do reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras. O pretexto a apresentação do Teixuga 2013, um novo branco da Casa Caminhos Cruzados, do industrial têxtil Paulo Santos, que quis investir nas suas origens, o concelho de Nelas, para produzir vinhos do Dão.

O “maestro” da refeição era Vincent Farges, chefe de cozinha que conquistou uma estrela Michelin para o restaurante da Fortaleza do Guincho. A actuar atualmente como responsável executivo no resort de luxo Sandy Lane, em Barbados, porque é preciso mudar de ares e enfrentar novos desafios, esteve de férias em Portugal e aceitou o repto de preparar uma refeição para o lançamento do vinho.

Na mesa, o repasto começou por um prato de Legumes da Quinta do Poial, com um caldo perfumado por rosas Cécile Brünner. Com assinatura reconhecida de Vicente Farges, pelo cuidado na preparação dos produtos e pela forma como tudo se conjugou para uma passagem feliz no palato, este prato fez boa companhia ao branco Titular Malvasia Fina/Encruzado 2015, um vinho contido de aromas e elegante, com boa frescura de boca a augurar uma prova ainda mais positiva daqui a alguns meses.

Legumes da Quinta do Poial, com um caldo perfumado por rosas Cécile Brünner.Legumes da Quinta do Poial, com caldo perfumado por rosas Cécile Brünner.

Entre as diversas propostas da ementa, destaque também para o prato principal, uma garoupa assada no ponto certo de frescura, com espargos e molho de limão, com uma taça, à parte de cevada cozinhada com bivalves e tomate confitado. O primeiro foi, sem dúvida, um prato inspirado que saboreei devagar, na companhia do Teixuga branco 2013. Uma bela conjugação!Garoupa assada, espargos e molho de limão.Garoupa assada, espargos e molho de limão.

Produzido de vinhas velhas maioritariamente da casta encruzado, na Quinta da Teixuga, este vinho criado pelos enólogos da Caminhos Cruzados, Manuel Vieira e Carloto Magalhães, estagiou durante 18 meses em barricas de carvalho. A decisão sobre o lote final e a data certa para engarrafamento, segundo o último, incluiu diversas reuniões, e repastos no forno, no restaurante Valério, de Mangualde, reconhecido pela qualidade do seu cabrito assado no forno. Um toque final, de 1 a 3% de vinho de Encruzado fermentado em inox ao lote, foi o suficiente para dar um carácter mais fresco e elegante a este Teixuga, e para a decisão de o engarrafar.

Teixuga 2013

teixuga 2013 4mbBranco do Dão de aroma complexo, marcado pelas notas de frutos secos, fruto tropical a lembrar anona e algum floral de flores brancas. Tem um ataque de boca pujante, num branco com estrutura, corpo, mas também frescura com um final muito longo onde se salientam as notas de frutos secos. Um vinho gastronómico, que se pode beber agora ou guardar durante mais alguns anos, para apreciar com pratos de peixe, algumas carnes brancas e até queijo de pasta mole. (Classificação:18/20)
Produtor: Caminhos Cruzados
Região: Dão
Castas: Vinhas velhas maioritariamente de encruzado