Por detrás de uma grande mulher está um grande homem

Ao folhear blocos antigos, recortes de jornais e revistas, encontro um artigo do tempo em que dirigimos a Cosmopolitan Portugal. O sublinhado desperta-me a atenção. O produtor de cinema David Brown, marido de Helen Gurley Brown, a fundadora da revista feminina internacional, contava que se sentira atraído por Helen porque estava habituado a  mulheres que não se sustentavam nem para comprar um alfinete. Helen, pelo contrário, pagou o seu próprio Mercedes-Benz, em dinheiro vivo. A “atração” sobreviveu a mais de 50 anos de casamento.

Os estudos mostram que, ao contrário do que muitas vezes se pensa, o maior impedimento a uma carreira profissional feminina bem sucedida não são os filhos. São os maridos que consideram que a sua carreira tem prioridade sobre a da mulher, que não partilham as tarefas domésticas ou que lidam mal com o êxito e a inerente independência financeira das suas mulheres. Por isso Sheryl Sandberg, a executiva que é a número 2 do Facebook, no livro Faça Acontecer defende que uma das opções profissionais mais importantes é a escolha de um marido que a apoie. É caso para dizer que por detrás de uma grande mulher há sempre um grande homem.

Texto: Isabel Canha