5 de fevereiro 2018

Somos criaturas de costumes. Preferimos ficar com o que sabemos do que entrar cegamente no abismo do desconhecido. Afinal, mesmo a falha é reconfortante devido à sua familiaridade. Pelo menos, conhece-se onde se está e o que se passa. No entanto, chega um momento em que devemos deixar de lado alguns hábitos. Não é necessário ter medo. Será a hora de se libertar das amarras que o prendem, há algum tempo, e abraçar o seu verdadeiro potencial?