Ana Cantinho: “Sempre achámos que não funcionaríamos em teletrabalho”

Ana Cantinho lidera a Beltrão Coelho, empresa fundada pelo avô há mais de 70 anos. Neste testemunho explica como é que esta empresa familiar se está a adaptar ao contexto provocado pela pandemia.

Ana Cantinho é diretora geral da Beltrão Coelho.

A Beltrão Coelho é um exemplo de como uma empresa familiar, que já leva mais de 70 anos de vida, adaptou o seu negócio ao avanço do mercado, da tecnologia e das necessidades dos consumidores, e que agora teve de se adaptar também ao teletrabalho. Com um negócio core alicerçado em equipamentos multifunções para escritório e soluções integradas de managed print services, a empresa familiar vai na sua terceira geração de líderes. Ana Cantinho, que é neta do fundador e ocupa a direção geral desde 2018, partilha o maior desafio que está a enfrentar nesta fase e como está a conseguir lidar com ele.

 

“Esta pandemia levou a diversos desafios. Primeiro, num universo de 75 colaboradores, no espaço de duas horas, tomar a decisão, mesmo antes de o governo decretar o estado de emergência, de enviar 75% para casa em teletrabalho. Em 72 anos de vida da empresa nunca tal tinha acontecido, sempre achámos que não funcionaríamos em teletrabalho.

Em segundo lugar, pedir aos técnicos para continuarem na rua, estarem disponíveis para manterem as intervenções necessárias nos clientes, principalmente hospitais e Polícia de Segurança Pública.

Em terceiro lugar, outro dos grandes desafios foi conseguir arranjar atempadamente proteção, como luvas, máscaras e desinfetantes, para que os nossos técnicos estivessem com a proteção máxima, para bem deles e dos seus. Chegámos a comprar 500ml de álcool a 19€ a garrafa, quando na semana anterior tínhamos comprado um garrafão de 5 litros de gel desinfetante por 30€

Por último, conseguir manter todos os colaboradores motivados, unidos, em prol da empresa, dos nossos clientes e dos próprios.

Estamos já na sétima semana de teletrabalho e estamos a conseguir!

A seguir ao dia 13 de março (decisão imediata do teletrabalho), os nossos técnicos informáticos estiveram durante todo o fim-de-semana a “colocar” a maioria dos colaboradores “dentro” da empresa a partir das suas casas. Os nossos técnicos demonstram uma coragem e sentido de profissionalismo incrível, principalmente quando têm de se deslocar aos hospitais.

Os colaboradores residentes (três pessoas) na empresa, embora sozinhos, pois cada um está no seu edifício, vão mantendo a atividade, com a receção de mercadoria e envio de consumíveis para os clientes, bem como a reparação in loco dos equipamentos.

Os colaboradores em teletrabalho mantêm também um profissionalismo único, quer com os colegas, quer com os clientes.

Estamos a aproveitar também para ter diversas formações online, ideias novas de negócios e manter um contacto muito próximo com os nossos clientes .

Para manter o bom espírito de equipa e união, através da nossa rede social interna, há sempre os bons-dias, há atividades, como almoços virtuais com colegas, atuações de Karaoke, Fitness, entre outros.

É nossa forte convicção que, quando voltarmos a estar todos juntos, estaremos mais fortes e mais unidos do que nunca.”