A Agenda de… Mariana Morgado Pedroso

Um dia na vida da directora-geral do Architect Your Home Portugal. Entre projectos e obras, viagens, bodyboard, marido e duas filhas, a agenda da Mariana é “imprevisível” como o mar de que tanto gosta.

Mariana Morgado Pedroso, directora-geral do Architect Your Home Portugal.

Arquiteta especializada na área da reabilitação, restauro e recuperação do património arquitectónico, Mariana Morgado Pedroso, iniciou a sua carreira no atelier do arquiteto Manuel Salgado, onde entre 2004 e 2008 participou em inúmeros projectos de desenho urbano. Seguidamente, e até 2012, colaborou no atelier Frederico Valsassina Arquitectos, integrando equipas em projectos de reabilitação de edifícios. O trabalho de quase uma década junto de alguns dos mais prestigiados gabinetes de arquitetura em Portugal deu-lhe currículo e o traquejo na execução de grandes projectos, alguns dos quais premiados, como é o caso do Palácio do Contador-Mor, pelo qual foi responsável.

Em 2012, trouxe para Portugal a Architect Your Home, uma empresa de serviços de arquitetura e interiores originária do Reino Unido, que aposta na arquitetura residencial à medida de cada cliente. Paralelamente à sua actividade em atelier, leccionou a cadeira de Arquitetura na licenciatura de Engenharia Civil no Instituto Superior Técnico (2006-2009). Especializou-se em Conservação e Recuperação do Património Construído na mesma instituição académica. Essa especialização na recuperação de imóveis históricos tem marcado o seu percurso mais recente.

Surfista apaixonada, do mar retira a lição que é sempre possível ultrapassar obstáculos quando se acredita que se pode fazer mais e melhor. Algo que Mariana continua a fazer, diariamente, partilhando o seu sucesso com as duas filhas, Maria e Matilde, e o seu companheiro de vida e ondas, Ricardo.

7h30

Um café com leite é imposição para conseguir começar a funcionar. O meu marido é fotógrafo e tem uma agenda ainda mais imprevisível que a minha, logo a vida familiar é organizada dia-a-dia consoante quem de nós está disponível para levar as crianças à escola. Não gosto de despertadores e evito ao máximo usá-los.

8h00

Tento que a ida para a escola não seja apressada, sendo que com a minha filha mais nova, que tem 4 anos, muitas vezes fique mais um pouco na creche a partilhar um jogo ou pintura antes de me ir embora. A mais velha está sempre com pressa de ir ter com as amigas e entra na escola no horário previsto das 8h20.

9h00

Por norma, chego ao escritório por esta hora. Na Architect Your Home escolhemos começar a trabalhar às 8h30 e terminar às 17h30, mas os colaboradores têm horários flexíveis consoante as suas necessidades. Acredito que a liderança é dada também pelo exemplo, por isso gosto de estar presente todos os dias, de participar nos projectos e de estar ao lado das pessoas, a gerir as equipas, a desbloquear ideias e a abrir portas. Não acredito no controlo total dos colaboradores e coloco a liberdade ao lado da criatividade e da produtividade, as pessoas são adultas e responsáveis e temos de confiar nelas. Por isso ocupo parte da minha manhã com reuniões com as diferentes equipas, seja para ver projectos ou para a gestão da empresa. Sou uma pessoa matinal em termos de energia. Tenho um espírito positivo e sou bastante acelerada, começando por volta desta hora a funcionar em pleno! As decisões mais importantes tomo-as de manhã.

Em 2012, contra todas as previsões e desafiando o contexto e a conjuntura, implementei em Portugal a marca Architect Your Home. Começámos com apenas um atelier e duas sócias e, quase sete anos depois, somos uma rede de 12 ateliers, que envolve diariamente 27 arquitectos. Juntos já desenhámos 280 projectos, desde restaurantes, hotéis, e muitos projectos residenciais. Na sede do Architect Your Home, somos seis pessoas, todas diferentes, com backgrounds distintos, mas alinhados num objectivo comum. A diversidade seja de género, idade ou percurso, é um dos activos mais importantes na nossa era, e gosto de valorizar o que cada um tem de único que poderá ser colocado no nosso trabalho, é uma das fontes do nosso sucesso e é muito importante para o negócio. A boa disposição e capacidade de adaptação é uma condição sine qua non para se pertencer à equipa!

10h30

Se tiver de me ausentar, o que é bastante frequente, aproveito aquele período intermédio da manhã, que se poderá estender até ao almoço. Em Lisboa procuro deslocar-me de mota – gosto da liberdade de poder ir directa para as reuniões sem preocupação de estacionamento e trânsito. Pela exigência do negócio acabo por passar muito tempo fora do escritório, entre visitas à obra, ou em reuniões com clientes e/ou parceiros. Quando estou na rua, tenho o André Rodrigues da Silva, que é mais que um braço direito, é o outro lado do Architect Your Home, com quem posso contar a 100% todos dias. O André assegura o bom funcionamento do escritório na minha ausência.

Ao longo do ano também faço viagens regulares a Londres, à sede do Architect Your Home. Estas viagens são muito mais que simples visitas, são dias altamente produtivos, em que se realizam diversas reuniões de trabalho. São momentos de partilha, onde fazemos um ponto de situação do negócio em Portugal e ficamos a conhecer o que o está a ser feito em Inglaterra. Vamos a locais novos, ver obras recentes e aproveitamos para absorver o máximo possível, são autênticas “visitas de estudo” onde estamos sempre a aprender. O tempo geralmente é contado ao minuto, o que não me deixa tempo para circular livremente pela cidade, mas sempre que me sobram alguns minutos, não deixo de aproveitar e percorrer Londres, sobretudo ao final do dia, onde aproveito sempre para ir ver uma exposição e jantar nos restaurantes fantásticos que a cidade oferece. Durante a viagem o contacto com Lisboa é mantido a todo o momento pela facilidade de comunicação que há hoje, mas não é permanente, nem sufocante, porque gosto de dar espaço às pessoas e confio plenamente no trabalho delas.

Também por motivos profissionais viajo para ir a feiras de decoração e materiais, mas também viajamos em equipa, com os nossos arquitectos, onde fazemos “viagens de estudo” de arquitectura e aproveitamos para fortalecer as relações pessoais entre todas as equipas.

13h00 

Não sou apreciadora de grandes almoçaradas. Para mim a hora de almoço é um momento útil para fazer uma pausa, prefiro ir ao ginásio e comer depois qualquer coisa rápida, ou se houver ondas perto (o nosso escritório é na Linha de Cascais) – ir surfar à hora do almoço. Isso sim, no meu caso, gera energia positiva e óptima performance no trabalho, a comida fica como complemento do exercício.

Não tenho horários de ginásio ou iniciativas pré-agendadas sempre iguais, gosto de várias actividades físicas diferentes, e tanto vou fazer uma aula no ginásio, como um treino de jogging na rua, ou patins em linha ou bodyboard. Com a idade aprendi que tenho realmente muita energia acumulada e o importante é mexer-me, pois se não fizer exercício fico com mau feitio!

14h00

À tarde o trabalho está articulado da mesma forma que a manhã. Marco reuniões com clientes apenas até as 16h para evitar que as horas de trabalho se prolonguem para as horas reservadas para as minhas filhas.

Temos sempre entregas de projecto cronometradas ao minuto e essas são stresse suficiente em termos de marcação de datas, para além disso temos uma reunião semanal de gestão semanal de contabilidade e outra de ponto de situação geral dos clientes em curso. Horários fixos pessoais só mesmo os das actividades e escola das crianças.

Tudo o resto vai-se ajustando – entre tempo livre para inspiração de projectos e tempo para gestão da empresa – vou preenchendo todos os espaços (por mínimos que sejam) para ser produtiva, dentro do que é a minha capacidade de gestão entre o trabalho e a vida pessoal, vou verificando também que é uma aprendizagem contínua, uma vez que a vida é tão mutável e devemos ter essa capacidade de adaptação aos momentos diferentes que nos vão surgindo ao longo do tempo.

Optei por criar uma vida que tem tudo numa “walking distance”, ou seja, da empresa para casa (que é no mesmo edifício) ou para a escola das crianças – tudo está a uma distância próxima para evitarmos perdas de tempo no trânsito ou preocupação como ter que acordar 2h00 antes para chegar ao escritório a tempo… Foi uma escolha consciente feita há cerca de 8 anos atrás, após muitos anos a ir e vir de Lisboa para a Linha. Com o nascimento da minha primeira filha, senti que perdia quase 2h do meu dia em trajectos e que esse tempo era precioso para nós em família. Assim posso ir de bicicleta levar a M à escola e ao final do dia posso em 5 minutos apanhá-las e levá-las às actividades.

18h00

Entre mim e o meu marido organizamos as idas para as actividades das crianças, neste momento ginástica rítmica e jiu-jitsu. Como muitas vezes um de nós está fora, ou temos picos de trabalho, compensamos entre os dois e combinamos a agenda numa base diária.

20h00

Jantamos sempre juntos e à mesa. O jantar é preparado previamente durante a semana e ao fim-de-semana temos sempre um estilo mais livre de refeições. A hora do jantar é para conversar e descontrair. Telefones não são de todo utilizados, e tentamos quando chegamos a casa desligar do dia de trabalho.

Até às 21h30 o tempo está reservado para a família. Deito sempre as minhas filhas com uma história e gosto desse momento de ficar no quarto com elas a relaxar (e muitas vezes a adormecer também!).

22h00

A noite depende da carga de trabalho existente, muitas vezes aproveito o tempo e o silêncio para recuperar o que não consegui fazer durante o dia no escritório, por andar tanto por fora. A maioria das vezes é mesmo só para relaxar e deitar cedo.