A agenda de… Alexandra Pereira

Metódica, a diretora-geral da DDB Lisboa tenta sempre rentabilizar ao máximo o seu tempo durante a semana e deixando o fim-de-semana livre para si, a família e os amigos.

Alexandra Pereira

Lidera o escritório da DDB em Lisboa, desde 2012 num contexto de crise económica. Reestruturou a empresa, focando-se na conquista de novos clientes e projetos e em entregar o melhor serviço ao cliente. Hoje, os resulatdos estão à vista:  de 2013 para 2017 a facturação da agência registou um crescimento de 110% e em 2018 estes resultados serão consolidados.

Enquanto terminava a licenciatura, na Escola Superior de Comunicação Social, Alexandra Pereira foi convidada a integrar a equipa de Planeamento estratégico da Nova Publicidade. A carreira que dessa forma se iniciava há mais de 20 anos prosseguiu de seguida na agência STRAT, onde começou a gerir clientes e a trabalhar com grandes marcas, como Super Bock, SIVA, Audi, entre outras. Alguns anos depois regressou à Novodesign. Anos mais tarde, foi novamente convidada pela STRAT a criar e dirigir aquela que viria a ser a STRAT DESIGN. Em 2010 ingressou no Grupo Omnicom, de onde transitaria para a DDB Lisboa. Aos 44 anos, com uma filha, afirma que entre a carreira e a família a sua prioridade é clara: a família.

7h00

O meu dia começa cedo, por volta das 7h00 nos dias em que levo a minha filha à escola. Confesso que sou uma dorminhoca nata e levantar cedo para mim é um martírio, por isso a rotina da manhã está feita ao minuto e não há margem para imprevistos. Está tudo planeado, para que possa dormir um pouco mais e ainda assim cumprir todos os horários. Começo por tomar um duche – até lá é melhor não falarem comigo – e a partir daí estou pronta para o meu dia.

 

8h15

Depois de deixar a Maria na escola tomo o pequeno-almoço fora, habitualmente na Padaria Portuguesa ou no Careca e sigo para a DDB. Nos dias em que tenho um pouco mais tempo aproveito para ainda ir ao supermercado. Sou muito metódica e tento sempre rentabilizar ao máximo o meu tempo, fazendo todas as tarefas “de casa” durante a semana e deixando o fim-de-semana livre para mim, para a minha filha, família e para os amigos.

9h00

Chego à DDB e bebo o primeiro café do dia – sou gulosa (apesar de ter muito cuidado com a alimentação) e por isso uma bolachinha Maria acompanha o café, por norma.

Começo por ver a minha caixa de emails, defino as minhas prioridades e escrevo listas de to do para o dia. Numa agência de publicidade é habitual os imprevistos acontecerem, por isso, o planeamento é um dos elementos mais importantes do meu dia-a-dia e do trabalho com toda a equipa.

Diariamente faço a minha lista de prioridades, sempre em papel, de forma a visualizar alguns “buracos” onde ainda posso acrescentar um imprevisto ou outro. Entre reuniões, almoços com clientes, brainstormings, reuniões com a equipa, por vezes chego ao final do dia e tenho uma lista maior do que tinha no início. Gosto de estar em todos os clientes e dou prioridade em acompanhar tudo o que se passa com cada um, por isso nem sempre é fácil coordenar esta parte operacional com a gestão. Organização e método são fundamentais – algo que tento sempre incutir na minha equipa. Além do planeamento diário, nas agências é fundamental planear a semana com a equipa criativa. Como tal, todas as segundas-feiras temos uma reunião de planeamento em que se distribui trabalho pela equipa e se gerem as prioridades. Mesmo quando a pressão aumenta, tentamos não descurar deste momento.

10h00

De seguida, começam as reuniões de ponto de situação sobre os projetos mais prementes – faço questão de estar em todas – discussão de ideias e outros temas que possam surgir. Nunca um dia na agência é igual ao anterior e isso é também uma das coisas que me dá mais gozo. A outra é trabalhar em equipa. Nunca gostei de trabalhar em gabinetes e o segredo para trabalhar em equipa é trabalhar junto dela, discutir ideias em conjunto, conversar e brincar quando é preciso. Ou até mesmo beber um copo de vinho ao final da tarde – rotina que muito apreciamos na DDB. Apenas quando necessito de estar mais concentrada, a escrever uma proposta por exemplo, gosto de me fechar numa sala de reuniões e estar 100% focada.

13h30/14h00

Na maioria dos dias acabo por comer na agência. Às vezes o almoço é dois iogurtes em frente ao computador. No entanto, quando há maior disponibilidade e vontade, tento fazer uma refeição completa. Procuro ter uma alimentação equilibrada – como a meio da manhã e a meio da tarde, evito gorduras e hidratos de carbono (exceto ao pequeno-almoço). Gosto de cumprir algumas regras alimentares durante a semana, o que faz com que durante o fim-de-semana possa ser um pouco menos restrita. Durante as horas de almoço mais calmas aproveito para ler um pouco, sentada nos puffs do nosso escritório, ou conversar com a equipa e ter um momento de descontração. Umas comprinhas nas Amoreiras também acontecem com alguma regularidade.

14h30

A minha tarde é muito parecida ao período da manhã. Muitas vezes seguem-se mais reuniões internas ou com clientes e dou continuidade às propostas em curso. Aquilo que gosto mais no meu trabalho é sem dúvida a diversidade de marcas com que trabalho, a discussão de propostas com os criativos e desafiar os clientes. Quando o cliente nos apresenta um briefing, muitas vezes não respondemos tal e qual o que ele nos pede, tentamos sempre acrescentar valor e ir mais além. Desafiamos as marcas e simultaneamente colocamos à prova os nossos limites. Na maioria das vezes resulta! É também assim que nos diferenciamos e ganhamos a confiança do cliente. Quando apresentamos uma proposta temos de ter confiança naquilo que estamos a dizer e isso é meio caminho para ter o reconhecimento do cliente. Não vendo uma proposta em que não acredito e dou tudo o que tenho (e que não tenho). Faço o pino se for preciso! Por vezes, damos o braço a torcer e como eu costumo dizer, “aviamos o freguês” mas sempre depois de tentarmos levar a água ao nosso moinho, uma ou duas vezes. Trabalho pelas marcas e pelos consumidores mas, no final do dia, é o anunciante que toma a decisão final, que nem sempre coincide com a recomendação da agência. Ossos do ofício, mas, confesso que me custa e fico triste.

19h00

Gosto de sair por volta das 19h. É o limite ideal para chegar a casa e ainda ter tempo para mim e para a minha filha. É raro levar trabalho para casa, pois não é uma rotina que considero ideal para a família, prefiro fazê-lo na agência e sair mais tarde. Tento sempre organizar o meu dia para ter uma vida saudável e equilibrada – apesar de ter o privilégio de adorar o que faço, definitivamente não vivo para trabalhar, nem para a carreira. Trabalho para viver, pois gosto muito de aproveitar o que a vida tem para me dar. Gosto de ter tempo para mim e para a minha filha e para encontrar o meu equilíbrio.

Nos momentos de optar, família ou carreira, nunca hesitei, nem hesitarei – FAMÍLIA, sempre em primeiro lugar. O ano passado, no final de vida do meu pai, estive um mês fora, esqueci-me da agência, da responsabilidade que tenho, de tudo. O meu foco esteva no meu pai, exclusivamente. Mas também sei que sou uma privilegiada pela equipa e pelo chefe que tenho – foram eles que permitiram a minha total ausência. A eles, lhe devo ter acompanhado os últimos dias de vida do meu pai. Gosto muito do que faço e dou tudo o que tenho e não tenho, no entanto não abdico dos meus momentos – tenho, sem dúvida, as minhas prioridades muito bem definidas.

20h00

O regresso a casa é sereno, sem grandes azáfamas. Ao domingo tento planear as refeições para toda a semana e, por isso, menos fica por fazer ao final do dia. Além disso, já tenho uma filha com 16 anos e por isso as tarefas são de menor exigência. Tenho uma mulher em casa, muito autónoma e disciplinada. Tenho 4 sobrinhos do “coração” que de quando em vez aparecem de surpresa para jantar – e eu adoro, claro!

Duas vezes por semana, o final de dia termina com uma massagem como forma de relaxar e descomprimir do stress diário e, naturalmente, cuidar de mim.

21h 30

Ao jantar gosto de ver o telejornal e de seguida sento-me em frente à televisão com a minha filha e a nossa gata, a Sofia. Frequentemente, o cansaço cai sobre mim e adormeço logo, no entanto fazemos sempre questão de partilhar o serão e ter este momento juntas.

22h 30 / 23h 00

O dia está mesmo a terminar. Dou um beijo de boa noite à minha filha e sigo para o conforto da cama para retomar forças para o dia seguinte. Será sempre um mundo bastante intenso, mas é um mundo onde adoro estar, ou melhor, onde adoro experienciar e viver todos os dias.

Fim-de-semana

Ao fim-de-semana há mais liberdade e menos rotina. Durmo até tarde e quando acordo costumo ir tomar o pequeno-almoço fora e se possível perto do mar. Fico muitas vezes por Lisboa, por causa da minha filha, dos estudos e dos eventos sociais que ela possa ter.

Gosto muito de estar comigo e preciso de o fazer – estar sozinha é, muitas vezes uma escolha. Contudo, tenho um grupo de amigos (mais família que outra cosia) que arranja sempre um pretexto para estarmos todos juntos, normalmente um jantar ou um almoço.

Temos uma casa de família em Santa Cruz (onde a minha mãe atualmente vive), junto ao mar, para onde fujo sempre que posso – o meu cantinho! Sou louca por praia e havendo uma nesga de sol, lá estou eu de papo para o ar. O final do dia, ao domingo, é mais sereno. Adoro estar no meu sofá e é lá que fico ao final da tarde, sobretudo no inverno.