Franceses conquistam o “direito a desligar”

Desde 1 de janeiro que o Código do Trabalho francês prevê o direito dos trabalhadores a ignorarem os contactos das entidades empregadoras fora do horário de trabalho.

França tenta o regresso ao horário de trabalho real.

Com 12% da população ativa francesa diagnosticada com esgotamento, as autoridades decidiram tomar medidas. “Longe da vista, longe do coração” é um ditado que faz cada vez menos sentido nos nossos dias. Graças às novas tecnologias, pouco sobra que esteja longe do alcance de um clique no computador ou um arrastar de dedos no smartphone. Mesmo no mundo do trabalho, onde os smartphones e as redes sociais são cada vez mais solicitadas como importantes ferramentas de produtividade.

Estar online hoje é quase sinónimo de estar disponível para todas as solicitações, graças à instantaneidade de contacto que permitem as novas tecnologias. Neste contexto, é quase banal os colaboradores receberem solicitações dos empregadores via email e sms à noite, aos fins de semana e até mesmo nas férias, não conseguindo libertar-se da preocupação com o trabalho, sentindo-se pressionados a dar resposta imediata, sob pena de virem a ser penalizados.

Quase 40% dos franceses admitem utilizar diariamente uma ferramenta de trabalho fora do horário laboral.

Para contrariar esta realidade e os seus efeitos na saúde e no bem estar dos trabalhadores, desde 1 de janeiro que o Código do Trabalho francês prevê o direito dos trabalhadores ignorarem os contactos das entidades empregadoras fora do seu horário de trabalho. Segundo um estudo recente, quase 40% dos franceses admite utilizar diariamente uma ferramenta de trabalho fora do horário laboral. Empresas com mais de 50 colaboradores passam a estar obrigadas a criar medidas que regulem a utilização de ferramentas digitais, de modo a preservar o período de descanso dos seus colaboradores. Esta lei não determina, contudo, quais as medidas a adotar pelas empresas e trabalhadores, que devem ser discutidas e acordadas entre ambas as partes. Caso não haja consenso, quem determinará as condições de aplicação do direito a “desligar” será a entidade empregadora. A nova lei também não menciona nenhum tipo de sanções em caso de incumprimento.

Desde 2011 que a Volkswagen bloqueia o acesso aos emails profissionais entre as 18h15 e as 7h.

Algumas empresas, como a Volkswagen, não precisaram de medidas legislativas para implementar medidas que “forcem” os colaboradores a desligar. Desde 2011, a marca automóvel alemã bloqueia o acesso às contas de email profissionais dos funcionários entre as 18h15 e as 07h.