Elimine as “bengalas linguísticas” do seu discurso

São palavras ou interjeições enxertadas e repetidas no discurso, que nada lhe acrescentam e podem mesmo minar a sua credibilidade. Saiba como reconhecer estas disfluências e acabar com elas.

Saiba como ultrapassar as disfluências no seu discurso.

O cenário pode ser-lhe familiar: está a assistir a uma apresentação ou discurso e repara que a pessoa que fala repete constantemente palavras “portanto”, “obviamente”, “então“, “de facto” ou interjeições como “hum“ ou “aaaaa“. Pode dar por si a lutar para manter a atenção ou para não sorrir. Mas quando chegar a sua vez de falar à plateia, tem a certeza de que é capaz de o fazer com mais fluidez?

As disfluências – interrupções na fluência do discurso – , regra geral, originam fracas mensagens, distraindo o recetor e tornando o discurso pouco apelativo e interessante: podem ser hesitações, repetições de frase, de segmento ou de palavras durante o discurso. São verdadeiros “aniquiladores de credibilidade” e surgem especialmente no início ou no final das frases.

O que fazer para evitar o uso excessivo destas “bengalas linguísticas” foi a pergunta que fizemos a Marco Meireles,  reconhecido em 2014 como o melhor líder europeu pela Toastmasters International – organização líder mundial em desenvolvimento de competências de comunicação e liderança).

1º – identificar todas as disfluências a corrigir
2º – identificar a causa, que pode ser emocional, por exemplo
3º – praticar

Resumindo, é possível melhorar a fluência do seu discurso, de modo a conseguir comunicar de forma mais eficaz, devolvendo-lhe elegância e credibilidade. Como? Siga as dicas de quem sabe.

Ouça-se: sempre que for possível, grave o seu discurso ou peça a um colega para a escutar enquanto ensaia.  A repetição exagerada de palavras pode ser um sinal de que é necessário treinar a sua comunicação.

Faça pausas: os períodos de silêncio no discurso podem ser usados no final de uma frase ou como marca de respiração entre partes de uma frase longa. E quando utilizada de forma correta, a pausa pode trazer muitos benefícios à mensagem que pretende comunicar. Se for pouco prolongada e usada de forma estratégica, a necessidade de utilizar as ditas “bengalas” será menor, tornando o discurso mais fluido.

Ambiente-se: Quando as anomalias da fala são causadas por estados emocionais, acostumar-se ao espaço onde vai falar pode revelar-se uma medida muito eficaz, já que a habituação conduz ao relaxamento.

Recorra a um especialista: Através de treinos específicos as suas debilidades serão identificadas e corrigidas com exercícios práticos, tornando mais fácil libertar-se destas “bengalas linguísticas” que prejudicam a sua imagem e a credibilidade da mensagem que pretende transmitir.